Portal Você Online

Aleam recebe família de artista venezuelana morta no Amazonas

img

Nesta terça-feira (11), a Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) realizará Cessão de Tempo, dentro da Sessão Ordinária, em favor de Sophia Hernández e de Denise Motta Dau, secretária nacional de Enfrentamento à Violência contra a Mulher, do Ministério das Mulheres, que irão falar sobre o assassinato da artista venezuelana Julieta Hernández. A Cessão de Tempo tem iniciativa da deputada Alessandra Campelo (Podemos), presidente da Procuradoria Especial da Mulher, da Aleam.

Advertisement

Em dezembro de 2023, Julieta Hernández, a “Palhaça Jujuba”, viajava pelo Brasil de bicicleta. Ela estava a caminho de seu país de origem, e no dia 23 de dezembro, quando já estava no município de Presidente Figueiredo (distante 107 quilômetros de Manaus), parou de mandar notícias aos amigos e familiares.

No dia 6 de janeiro deste ano, o corpo da artista foi encontrado em uma área de mata do município.

Advertisement

De acordo com as investigações, a artista foi estuprada, assassinada e teve seu corpo queimado pelo casal Thiago Angles da Silva e Deliomara dos Anjos Santos, que confessou o crime.

A deputada Alessandra Campelo explica que, na última semana, o Ministério das Mulheres manifestou apoio à ação articulada pela União Brasileira de Mulheres (UBM) e aos familiares de Julieta Hernández para que o crime seja reconhecido como feminicídio.

No Amazonas, a Procuradoria da Mulher apoia e é a responsável pela articulação no sentido de mudança de tipificação para feminicídio.

“O assassinato da Julieta apresenta características de um crime misógino, ou seja, de um crime de ódio à artista circense como mulher”, declarou Campelo, reforçando que a realização dessa Cessão de Tempo em favor de Sophia Hernández, irmã da Julieta, e da secretária Denise Motta Dau, tem o objetivo de fazer uma grande sensibilização e mobilização social para que o assassinato da Julieta Hernández seja tipificado como feminicídio.

A deputada destaca, ainda, que o caso de Julieta entra para as estatísticas como símbolo de um país em que o direito de existir plenamente enquanto mulher segue violado.

Foi feminicídio: justiça por Julieta Hernández

Em busca de mobilizar os órgãos competentes, a Procuradoria da Mulher, em parceria com o Ministério das Mulheres, com a UBM, movimentos sociais e rede de proteção à mulher no Amazonas, realiza uma programação especial ao longo desta semana, buscando apoio para a mudança de tipificação do crime.

Segunda-feira – 10 de junho

9h30 – Reunião no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) com a juíza Vanessa Leite Mota, o promotor de Justiça Felipe Fish, do Ministério Público do Estado (MP-AM) e a promotora de Justiça Jussara Pordeus (Ouvidora da Mulher do TJAM).

15h – Reunião com representante da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Amazonas (OAB-AM) e a presidente da Comissão Permanente da Mulher Advogada da OAB-AM, Marlene Parisotto.

Terça-feira – 11 de junho

10h – Durante Sessão Plenária, na Aleam, a deputada estadual Alessandra Campelo fará uma rápida explicação sobre o histórico do caso Julieta Hernández. Depois fará Cessão de Tempo para os pronunciamentos de Sophia Hernández, irmã de Julieta Hernández e de Denise Motta Dau, secretária nacional de Enfrentamento à Violência contra a Mulher do Ministério das Mulheres.

Na sequência, Sophia Hernández, Alessandra Campelo e Denise Motta Dau concederão entrevista coletiva à imprensa sobre o caso e os pleitos do movimento de mulheres em relação ao processo que tramita na Justiça.

Depois da coletiva acontecerá um Ato de Solidariedade dos Movimentos Sociais e Movimentos de Mulheres no hall Homero de Miranda Leão da Aleam.

Quarta-feira – 12 de junho

8h – Preparação e organização na frente da Aleam para saída da caravana em memória de Julieta Hernández, rumo à Presidente Figueiredo;

8h30 – saída da Caravana Julieta Hernández à Presidente Figueiredo;

10h – chegada à Presidente Figueiredo, seguido de encontro com autoridades locais e realização de manifestação pacífica em memória de Julieta Hernández e em busca de justiça, na Praça da Cultura;

11h – despacho com a magistrada do caso (advogados e Sophia Hernández);

13h – Momento intimista de Sophia Hernández com a equipe do Corpo de Bombeiros para visita no local onde o corpo de Julieta foi encontrado.

Quinta-feira – 13 de junho

Manhã: visita ao Centro de Convivência da Família Teonizia Lobo (bairro Mutirão) para foto em frente ao muro que homenageia a vítima;

15h – viagem de retorno de Sophia Hernández à Venezuela.

Advertisement

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *