Estudante AM vence competição internacional de robótica

Com o projeto “Boia:bit”, Kathellen Sabrina, de 10 anos, vai representar a América Latina em premiação marcada para acontecer em Londres

O projeto desenvolvido pela estudante do 5º ano do Ensino Fundamental da Escola Estadual Itacyara Nogueira Pinho, Kathellen Sabrina dos Santos Lima, de 10 anos, conquistou uma das seis vagas da competição internacional “Micro:bit Global Challenge”, cuja premiação acontecerá no próximo dia 28 de janeiro, no Museu de Londres.

Com o projeto “Boia:bit”, Kathellen tornou-se a única representante da América Latina e será premiada junto com outras crianças representantes da Europa, América do Norte, Ásia e Pacífico, Oriente Médio e África.

O projeto desenvolvido pela estudante foi orientado pelo professor de robótica Tiago Cauassa, que desenvolveu projetos voluntários com crianças, através da empresa Arduino Manaus com a Positivo Tecnologia Educacional, para a utilização do “micro:bit”, um pequeno computador programável.

“Tudo começou quando a Microbit Foundation veio para o Brasil através da Positivo, que é quem representa a placa (micro:bit) aqui no Brasil, com o apoio do Centro de Referência em Inovação Tecnológica. Eles criaram um evento de lançamento dessa placa, no qual ganhei o primeiro lugar com minha equipe. Durante a premiação, nós recebemos uma doação e nos comprometemos a continuar a divulgar a placa, fazer projetos pra que a gente pudesse alcançar um número máximo de crianças, ensiná-las a programar”, explicou o professor.

A partir desses projetos, Cauassa conta que aceitou participar do desafio Micro:bit Global Challenge, lançado pela Fundação Microbit (Microbit Foundation).

“A Microbit Foundation lá em Londres lançou esse desafio no mundo todo. Qualquer criança, entre 8 a 12 anos, do mundo poderia participar. Elas tinham que criar uma invenção usando a micro:bit para tentar solucionar alguns problemas que a Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu, que são metas globais”, disse.

Depois de pesquisar a respeito dos projetos que poderiam ser desenvolvidos com base nas metas estabelecidas pela ONU, o professor abriu vagas para crianças que tivessem interesse em participar. Foram criados projetos na área da saúde e segurança.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *