Portal Você Online

Manaus: Escolas questionam resultado do Carnaval e deixam liga

Os presidentes das escolas de samba do Grupo Especial de Manaus Vitória Régia, Darlan Braga, e A Grande Família, Cleildo Barroso e Barroso conhecido com “Caçula Show”, anunciaram nesta segunda-feira (5) o desligamento de suas agremiações da Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba do Amazonas), que reúne as escolas do Grupo Especial.

Darlan disse que pedirá na Justiça a anulação da vitória da Aparecida por infração ao regulamento do Carnaval 2024, que proíbe enredo em homenagens a políticos com mandatos. A Aparecida homenageou a família cidade, mas não explicitou no enredo nenhum político com mandato.

Advertisement

O anúncio do desligamento das escolas ocorreu logo depois da apuração e da confirmação do tricampeonato para a Escola de Samba Mocidade Independente de Aparecida, da zona sul de Manaus.

Os dirigentes da Vitória Régia e da A Grande Família questionaram o resultado, criticaram os jurados e levantaram suspeitas sobre a lisura do julgamento do desfile do Grupo Especial de Manaus.

“Essa empresa que julga o Carnaval há mais de 5 anos só dá título para a Aparecida. Ou é uma coincidência, ou é roubo. Eu não confio e nunca confiei nessa empresa. Então, por isso, a partir de hoje, Vitória Régia está desligando-se da Liesa”, disse Darlan Braga.

“Quero pedir a todos desculpa ao público que teve que assistir a essa pouca vergonha. O Carnaval de Manaus já está na lama, e acontece essa pouca vergonha. Infelizmente, o poder falou mais alto, mas tenho certeza que isso não vai ficar assim não. A Grande Família se desliga dessa liga Liesa”, disse Caçula Show.

Em seu perfil no Facebook, Darlan Braga foi mais incisivo: “A partir de hoje estou saindo desta merda chamada Liesa. Chega de palhaçada. Chega de jurados do Riec, amigos do Pacheco e Simonetti. Para mim, esse resultado foi a maior decepção da minha vida”, escreveu.

Pacheco, a quem Darlan se refere, é Luiz Pacheco, presidente da Aparecida. Riec Santos é o coordenador responsável pela escolha e preparação dos jurados desde 2019. Em 2015, Riec Santos foi diretor de Carnaval da Acadêmicos de Santa Cruz, do grupo de acesso do Rio de Janeiro.

“Parabéns a todos os presidentes pelo trabalho árduo que nós fizemos. O Carnaval do Rio que os espere, com os bolsos cheios. Só tenham cuidado com a volta do anzol. Decepcionado!!! Me aguardem. Boa noite”, diz o complemento do texto postado por Darlan Braga em seu Facebook, por volta de 19h30 de segunda-feira (5).

A postagem foi excluída por Darlan. “Apaguei por aconselhamento do meu corpo jurídico”, afirmou o presidente da Vitória Régia. “Mas o conteúdo é o mesmo”, disse, em relação ao publicado.

Darlan confirmou que o documento de desligamento de fato não foi entregue, por que no momento a prioridade é outra. A Vitória Régia vai impugnar, com base no regulamento do Carnaval 2024, a vitória da Aparecida. Só depois pedirá o desligamento.

“O enredo infringiu o regulamento, que proíbe tema a político com mandato”. O enredo da Aparecida foi sobre a trajetória da família Cidade, “O Madeira é testemunha. A floresta, o berço, luta, suor e união para a eternidade. Aparecida vem mostrar a saga da família Cidade”.

O presidente da ALE-AM (Assembleia Legislativa do Amazonas), Roberto Cidade, pré-candidato a prefeitura de Manaus nas Eleições 2024, desfilou pela Aparecida.

“Problema deles”

O presidente da Liesa, Roberto Simonetti Filho, disse que o desligamento anunciado pelos presidentes é “problema deles”e que “é um direito, de livre escolha”.

“Tenho um nome a zelar e não vou me trocar com esses dois garotos deslumbrados. Vão responder no lugar certo”, disse. Questionado se “lugar certo” é na esfera judicial, Simonetti repetiu o termo: “vão responder no lugar certo”.

De acordo com o Simonetti, o anúncio do desligamento não impede Vitória Régia e Reino Unido de disputar o Carnaval do ano que vem.

Ele afirmou que o papel da Liesa é “organizar o Carnaval, buscar fomento e defender o interesse das agremiações associadas”. Mas a não participação das escolas na liga não tira delas o direito a se apresentar no Sambódromo. “Podem desfilar de forma independente”.

Advertisement

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *