Portal Você Online

Na China, Suframa apresenta potencialidades da ZFM a investidores

A Suframa, autarquia federal responsável pela administração da Zona Franca de Manaus (ZFM), tem buscado atrair investimentos estrangeiros para a região, especialmente do segmento de energia limpa e fotovoltaica.

A ZFM é um modelo de desenvolvimento regional que oferece incentivos fiscais e extrafiscais para as empresas que se instalarem na área, além de promover a preservação ambiental e o desenvolvimento social da Amazônia. 

Advertisement

Neste fim de semana, representantes da Suframa participaram do 1° Seminário para a Cooperação Econômica e Comercial entre as Províncias Chinesas e Estados Brasileiros, que ocorreu no Centro Internacional de Convenções de Xiamen, na Província de Fujian, na China.

O evento faz parte das atividades da 23° edição da Feira Internacional de Investimento e Comércio da China (CIFIT 2023), que ocorre até esta segunda-feira (11) na cidade de Xiamen, com o Brasil sendo um dos três países convidados, contando com um pavilhão gerido pela ApexBrasil.

Advertisement

O seminário foi organizado pelo Conselho da Promoção do Comércio Internacional da China, pelo Governo de Xiamen e pelo Departamento de Comércio de Fujian, sendo apoiado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), pela Embaixada da China no Brasil e pelo Conselho Empresarial Brasil-China, patrocinado pelo Ministério do Comércio da China e pelo Governo da Província de Fujian.

Na ocasião, o coordenador-geral de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, da Suframa, Arthur de Freitas Lisboa, apresentou os marcos regulatórios de incentivos extrafiscais administrados pela Autarquia, destacando os atrativos da região para investidores chineses, como a segurança jurídica, a sustentabilidade do projeto Zona Franca de Manaus, os principais segmentos de indústria e os indicadores socioeconômicos do Polo Industrial de Manaus (PIM), além de destacar as potencialidades dos Estados da Amazônia Ocidental e das Áreas de Livre Comércio administradas pela Suframa.

Também estiveram presentes no evento diversas autoridades e representantes governamentais e empresariais dos dois países, além de empresas interessadas em conhecer as oportunidades de investimentos no país.

Negócios

Após o término do seminário, a Suframa participou de um encontro de negócios, ocasião em que diversas empresas chinesas puderam conhecer mais a respeito da ZFM e sanar dúvidas em relação a implantação de empreendimentos fabris na Amazônia Ocidental, tendo sido atendidas empresas dos segmentos de bens de informática e telecomunicações, eletroeletrônicos, energias renováveis, termoplásticos, vestuário, alimentos e bebidas.

“Foi uma excelente oportunidade de conversar com empresários e representantes de empresas chinesas que estudam operar no Brasil e que demonstram um interesse genuíno na Zona Franca de Manaus, visto que o investimento em áreas econômicas especiais é algo que as empresas chinesas estão habituadas a fazer no mundo inteiro”, frisou Lisboa.

Prospecção

A participação da Suframa na 23° CIFIT é mais uma ação planejada e executada no âmbito do Plano de Prospecção de Novos Negócios da Suframa, sendo a primeira fora do país no ano.                                                          

Algumas das empresas contatadas, inclusive, já são acompanhadas há algum tempo pela equipe técnica da Suframa, a partir de webinar realizado ano passado com investidores chineses, como é o caso de uma empresa chinesa que está em processo de instalação na ZFM para a produção de inversores fotovoltaicos, que fez questão de reunir-se com a Suframa durante o encontro de negócios e convidou a Autarquia, para em uma próxima ocasião, visitar uma das fábricas da empresa no país.

O superintendente da Suframa, Bosco Saraiva, ressaltou que a participação da instituição em eventos internacionais faz parte da estratégia da gestão para dinamizar a economia da região e fortalecer o projeto ZFM.

“A China hoje é o principal parceiro comercial do Brasil, de modo que é essencial, para atrair novos investimentos, realizarmos a prospecção ativa in loco, atingindo assim o nosso público-alvo de investidores em potencial para a nossa área de atuação”, frisou.

Advertisement

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *