Dólar Hoje

PF prende guerrilheiros e garimpeiros em Japurá, na fronteira do Amazonas com a Colômbia

Operação teve o apoio das Forças Armadas e vinha sendo realizada desde o último dia 11, sendo concluída com a prisão dos criminosos e a apreensão de ouro, pedras preciosas, R$ 200 mil em dinheiro, além de uma lancha

A Polícia Federal prendeu nove pessoas, entre elas dois guerrilheiros dissidentes das Farc – Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – e garimpeiros que invadiram a região do município amazonense de Japurá (741 km de Manaus), onde traficavam armas, drogas e garimpavam ouro.

No último dia 21, tropas do Exército Brasileiro reforçaram a segurança na região para conter uma tentativa de invasão. Um comboio de soldados do Comando Militar da Amazônia (CMA) do Pelotão de Fronteira de Vila Bittencourt e São Gabriel da Cachoeira foi deslocado para evitar a ocupação de uma área de garimpo pelos guerrilheiros colombianos (veja abaixo).

A operação da PF, denominada “Operação Alóctonas” – uma referência a seres vivos invasores que se proliferam provocando severos danos ao meio ambiente – foi desencadeada no último dia 11 naquela área de fronteira.

Além da invasão do território brasileiro, as organizações criminosas usurpavam bens da união, extraindo ouro ilegalmente e contaminando os rios da região com mercúrio em desacordo com as exigências da legislação nacional.

Além da extensa ficha de ilegalidades, os criminosos também faziam o tráfico de armas, lavagem de dinheiro, receptação e tráfico internacional de drogas.

Os agentes federais apreenderam mais de 1 kg de ouro, aproximadamente 200 mil em dinheiro, jóias, pedras preciosas, relógios, mercúrio, duas pistolas, 1 revolver, 1 espingarda, 2.137 munições cal. 22, 164 cartuchos cal. 28, 343 cartuchos cal. 32, 4 kg de pasta base de cocaína. Uma lancha, apetrechos para garimpo e medicamentos vencidos também foram encontrados.

Notícias Relacionadas

1 Comentários

  • Mendes , 30/08/2021 @ 19:43

    O mercúrio que eles utilizam é que infecta os peixes . Isto já ocorre a tempo , mais ultimamente com mais frequência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *