PL envia relatório ao TSE questionando urnas eletrônicas

Representação do PL quer invalidar votos de alguns modelos de urnas |  Agência Brasil

Em coletiva de imprensa, no Centro de Convenções do Brasil 21, em Brasília, o presidente do Partido Liberal (PL), Valdemar Costa Neto, apresentou no final da tarde de ontem, terça-feira (22), um relatório que aponta irregularidades sobre as últimas eleições.

Ele afirmou que o documento foi feito por especialistas. “Não somos especialistas em segurança de dados, por isso fomos atrás de técnicos que fizessem esse trabalho para garantir a transparência do processo eleitoral. Até porque eu, Valdemar, fui eleito com urna eletrônica, e a bancada do PL foi eleita por urna eletrônica”, disse.

No documento, o PL diz que houve falhas insanáveis, que colocaram em risco o resultado da eleição entre o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O texto cita ainda um relatório de auditoria que apontava fragilidade de tecnologia da informação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para colocar em dúvida a segurança da votação.

“O quadro de atraso encontrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) referente à implantação de medidas de segurança da informação mínimas necessárias gera vulnerabilidades relevantes. Isso poderá resultar em invasão interna ou externa nos sistemas eleitorais, com grave impacto nos resultados das eleições de outubro”, diz o PL.

Segundo o engenheiro Carlos Rocha, que participou da auditoria contratada pelo PL, foi constatada uma falha no log das urnas antigas, fabricadas antes de 2020, o que poderia desqualificar seu uso na contagem de votos. De acordo com o engenheiro, cerca de 250 mil equipamentos do tipo forma usados.

O engenheiro afirmou ainda que algumas urnas travaram durante as eleições “como o seu computador trava, como o seu celular trava”. Segundo ele, o processo de reinicialização comprometeria o sigilo do voto. Chagas disse ainda que a intenção é colaborar com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na apuração das irregularidades. O documento foi enviado à Corte.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *