Equipes da brigada Internacional Topos Aztecas e Grupo Suçuarana Amazonas estão atuando em Brumadinho

Uma equipe composta por seis membros da Brigada Internacional Topos Aztecas sede Manaus, e um membro do Grupo Suçuarana do Amazonas, chegaram em Brumadinho para auxiliarem nas buscas as vítimas tragédia ocorrida na última sexta-feira (25), que até o momento contabiliza 99 mortes e outras quase 300 pessoas desaparecidas após rompimento da barragem Feijão, em Minas Gerais.

Os sete homens são profissionais das mais diversas áreas e especialistas em resgates, e atuam de forma a de forma voluntária diante de grandes tragédias. Atualmente o grupo trabalha junto a Defesa Civil de Brumadinho nas buscas dos corpos das vítimas da barragem. A equipe foi designada para fazer exploração na área de mata devido ao grande conhecimento que possuem.

Álvaro Fernandes é um dos Topos e fala sobre a dificuldade local. “Enquanto o Corpo de Bombeiros sobrevoa a área atrás de corpos e recolhendo os que estão em meio a lama, nós fazemos as buscas pela mata, pois muitas casas foram arrastadas e a grande possibilidade de ter corpos presos entre os galhos das árvores. O acesso aqui não é fácil, mas vamos ajudar a encontrar os entes queridos das famílias de Brumadinho”, declarou Álvaro.

Os sete profissionais só retornarão ao Amazonas após o termino do trabalho na cidade mineira. Eles estão recebendo apoio de moradores locais como moradia e alimentação.

A Brigada Internacional de Resgate Topos Aztecas Brasil surgiu após o dia 19 de setembro de 1985, quando um terremoto de magnitude 8.1 que atingiu a Cidade do México e pegou várias pessoas de surpresa no momento em que si iniciavam os trabalhos diários normais.

A partir dessa tragédia surgiu um grupo voluntário encabeçado por Héctor Mendes, que por vontade própria iniciou os trabalhos de resgate das pessoas afetadas na tragédia. A partir deste evento começaram então a serem chamados de Los Topos Tlatelolco Aztecas e sendo assim reconhecidos desde 1985.

Conheça as equipe:

Topos Aztecas

O nome “Topos” em português significa “topeiras”, um dos animais que apresenta a atividade de cavar na maioria das vezes com as próprias mãos. Cavar os escombros de casas e prédios derrubados em busca de sobreviventes ou dos corpos daqueles que não resistiram ao desastre.

A Topos atuou nos seguintes resgates de vítimas; no atentado terrorista de 11 de setembro em Nova York, terremoto e tsunami do Japão e Indonésia, Terremoto do Nepal, Furacões, Vulcões e Terremotos na América do norte, Latina, e do Sul tendo, por exemplo, os terremotos que devastaram o Haiti e o Equador, as grandes enchentes do Peru. Em 2017 voltaram a atuar no forte terremoto que sacudiu o México exatamente nos dias 7 e 19 de setembro.

Em junho de 2014 os TOPOZ AZTECAS chegou ao Brasil, especificamente na cidade de Manaus-Amazonas e nomearam representantes brasileiros surgindo assim a Birta Brasil. Em 2017 realizaram o Civarc – Curso de Intervenções Vitais em Áreas de Risco e Catastrofes.

Desde então várias atividades têm sido realizadas na região a fim de ajudar pessoas em situações de grave e iminente perigo e podendo ajudar também em capacitações internacionais no México, Venezuela e Argentina e em catástrofes como no Terremoto do Nepal.

Todo trabalho é voluntário, e os integrantes são das mais variadas profissões como Empresário, Técnicos em Segurança, Enfermeiros, Mecânicos, Técnicos em Enfermagem, Assistente Social e Bombeiro Profissional Civil. E nos momentos livres ou quando existe uma situação humanitária, os TOPOS de todo o mundo se apresentam, voluntariamente, para apoiar as pessoas necessitadas e na grande maioria das vezes os custos de mobilização e alimentação são arcados pelos próprios voluntários.

O Grupo Suçuarana

Fundado em 07 de setembro de 1994, criado por seis pessoas com elevado senso de solidariedade, praticantes de esportes radicais, atividades físicas e amantes incondicional da natureza.

O grupo foi registrado no Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas de São José dos Campos – SP, com a denominação de “GRUPO SUÇUARANA”; sendo uma Associação sem Fins Lucrativos. Apolítico e isento de preferências de credo, cor, status sociais e afins.

O nome foi escolhido após uma eleição interna entre os membros fundadores, em homenagem ao maior felino comprovadamente existente na região de atuação do Grupo. Suçuarana ou Suassu’rana, em tupi, é o nome dado pelos indígenas ao segundo maior felino da fauna brasileira, que traduzido para o português quer dizer: “felino que tem a cor dos pelos parecido com a do veado mateiro.

Os membros possuem conhecimentos e experiências em assuntos como: Sobrevivência na Selva, Montanhismo, Pára-quedismo, Espeleologia, Pronto-Socorrismo, Salvamento Terrestre e em Altura, Combate a Incêndios, Animais Peçonhentos, Caminhadas Ambientais, Ecologia, Operações Fluviais, Mergulho Autônomo, Rafting, Paraglider, Orientação, etc.

Esses conhecimentos foram adquiridos em entidades civis e militares, tais como: CIGS, Brigada Pára-quedista, 6º BIL, TG SJC e Suzano – SP, ESAO, CIAVEX e 11º Batalhão de Montanha – Exército Brasileiro, 7º/8º GAv – Força Aérea Brasileira, Corpo de Bombeiros, Polícia Florestal e COE – Polícia Militar do Estado de São Paulo, Cruz Vermelha Brasileira, Defesa Civil do Estado de São Paulo, Defesa Civil de SJC – SP, Instituto Butantã, SESC SJC – SP, INFRAERO SJC – SP, Núcleo de Formação de Selva e muitas outras.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *