Plano de invasão da Venezuela provoca choque no Planalto e Mourão diz “Não”

O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, defendeu na tarde de ontem, 25, uma solução pacífica para a crise na Venezuela e afirmou que é preciso “buscar caminhos” para o presidente Nicolás Maduro “ir embora” do país, juntamente com membros mais próximos de seu governo, e com isso ter início uma transição rumo à democracia.

“O Brasil vai buscar de todas as formas que não haja conflito”, disse Mourão, destacando que o Planalto buscará trabalhar em cima de pressão diplomática e política, como o não reconhecimento do regime de Maduro e o reconhecimento de Juan Guaidó como presidente interino.

‘Ninguém quer confusão lá’, diz comandante do Exército sobre crise na Venezuela

O comandante do Exército brasileiro, Edson Leal Pujol, disse nesta terça-feira (26) concordar com a decisão do Grupo de Lima de não haver intervenção militar na Venezuela porque “ninguém quer confusão lá, muito menos envolvendo dois países”.

O Grupo de Lima, integrado por representantes de 14 países da região, rejeitou na segunda-feira (25) uma ação militar na Venezuela, apesar da pressão dos Estados Unidos.

O Grupo de Lima foi criado, em 2017, por iniciativa do governo peruano com o objetivo de pressionar o regime Nicolás Maduro a restabelecer a democracia na Venezuela. Além de Brasil e Peru, mais 11 países integram o grupo: Argentina, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Chile, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá e Paraguai.

Questionado se considerava que essa decisão havia sido a mais prudente, Pujol respondeu: “É óbvio que todos nós queremos a paz, é óbvio. Ninguém quer confusão lá, muito menos envolvendo dois países”.

Pujol deu a declaração ao deixar o Senado, após fazer uma visita de cortesia ao presidente Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Nesta segunda-feira (25), na reunião do Grupo de Lima, na Colômbia, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou o governo brasileiro acredita em uma solução “sem qualquer medida extrema”para, segundo ele, “devolver a Venezuela ao convívio democrático das Américas”.

Operação acolhida

O general disse ainda que não tem previsão de retirada das tropas brasileiras da região.

“As tropas vão ficar lá porque tem duas missões. Estamos numa operação de acolhida e essa operação vai continuar enquanto houver um fluxo de refugiados, por isso a nossa permanência lá. E tem uma operação de garantia da lei e da ordem pedida pelo governo do estado”, explicou.

Ao comentar o clima na fronteira entre Brasil e Venezuela, disse que, “felizmente, os ânimos se acalmaram”.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *